Onde guardar as cinzas dos defuntos?

A conservação das cinzas em casa pode tornar mais difícil o luto, pois a pessoa está sempre a “tropeçar” nos restos mortais dos entes queridos. Não consegue assim separar-se deles e da memoria dolorosa da sua perda.

Uma pessoa tem as cinzas dos seus pais em casa. A última a falecer foi a mãe, há uma semana. Começou a ter dúvidas se estava a fazer bem ou mal. Por isso, pediu conselho. Realmente, onde conservar as cinzas dos entes queridos, para garantir a memória, o respeito e a devoção que eles nos merecem? Há hoje todo o tipo de opções, com gente emotivamente abalada pela perda dos entes queridos e vulnerável às propostas inovadoras que lhes apresentam e vendem certas agências funerárias ou outro tipo de empresas ávidas de lucro. Conforme a conceção antropológica e as convicções relativamente à dignidade integral da pessoa humana e ao seu destino futuro, assim as escolhas que se fazem relativamente aos defuntos e à sua memória.

A fé cristã afirma que a vida humana não acaba na morte nem se desfaz. De facto, a morte não é o fim de tudo, mas sim a transformação da pessoa para entrar em definitivo na vida eterna. Assim, tanto na vida como na morte, a fé cristã reconhece “a grande dignidade do corpo humano como parte integrante da pessoa da qual o corpo partilha a história”. O mesmo respeito é devido às cinzas, que são “os restos mortais” daquela pessoa concreta, que vive espiritualmente “na esperança de que ressuscitará para a glória” eterna. Na ressurreição, pelo seu poder omnipotente, Deus dá nova vida ao nosso ser: se, na morte, “o espírito separa-se do corpo”, na ressurreição, “Deus torna a dar vida incorruptível ao nosso corpo transformado, reunindo-o, de novo, ao nosso espírito”.

A conservação das cinzas em casa pode tornar mais difícil o luto, pois a pessoa está sempre a “tropeçar” nos restos mortais dos entes queridos. Não consegue assim separar-se deles e da memoria dolorosa da sua perda. Ora, nós sabemos que o crescimento e amadurecimento da pessoa, desde o nascimento, faz-se pela separação física dos pais, pela autonomia e independência, para que tenha a sua própria vida e uma rede de relações e convivência diversificadas. A proximidade das cinzas pode enredar a pessoa nessa memória dolorosa, ficando aprisionada nela, sem conseguir viver livre e feliz. Ora, continuar a viver com satisfação e memória grata dos antepassados, honra os defuntos, que continuam a querer o melhor para os seus familiares e não lhes agrada ser para eles um entrave nesse sentido.

A conservação das cinzas em lugar adequado é memória importante para a relação e comunhão com os defuntos. De preferência, seja um lugar não privado mas da comunidade, como o cemitério, onde melhor se pode sentir a dor partilhada por outros e a solidariedade. Mais do que nas cinzas, é em Deus e na comunidade cristã que encontramos espiritualmente vivos os nossos defuntos. Por isso, a relação com eles pode ser comunhão positiva, na sua diferente condição relativamente a nós. A fé cristã considera que a relação com os mortos se faz espiritualmente através da comunhão dos santos: pela memória, a oração, especialmente na missa, e a visita ao lugar da sua sepultura ou da conservação dos restos mortais. E isso é vivido na comunidade e não simplesmente de modo privado. A memória e comunhão com os defuntos ajuda a suportar e superar o luto, para transformar a perda em dom, em entrega confiante, à semelhança do que fez Jesus na sua morte: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”.

Por todas estas razões e, ainda, para evitar o risco da sua profanação futura, nas gerações seguintes, que têm que decidir à guarda de quem as entregar, a Igreja católica considera que “as cinzas do defunto devem ser conservadas, por norma, num lugar sagrado, isto é, no cemitério”, não consentindo a sua conservação “em casa”, nem que sejam “divididas entre os vários núcleos familiares” ou dispersas “no ar, na terra ou na água, ou, ainda em qualquer outro lugar”. Antes, “deve ser sempre assegurado o respeito e as adequadas condições de conservação das mesmas”. Para os fiéis cristãos é, portanto, claro que devem conservar no cemitério as cinzas dos seus defuntos. Esta é a opção condizente com a fé cristã e a sua visão sobre a dignidade da pessoa humana, do seu corpo ou das suas cinzas.

Neste sentido, deveria haver nos cemitérios um lugar apropriado, de preferência em jeito de jardim, para receber os recipientes com as cinzas dos defuntos e a sua identificação para garantir a memória futura e dar a possibilidade de visita e romagem aos familiares e amigos, sempre que os queiram recordar e homenagear.

As citações são da instrução “Sobre a ressurreição com Cristo”, da Congregação para a Doutrina da Fé “a propósito da sepultura dos defuntos e da conservação das cinzas da cremação” (15/8/2016).

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia…


Telegram: Leiria-Fátima News

Todas as notícias de www.leiria-fatima.pt em primeira mão no seu smartphone.
Canal unidirecional para divulgação de notícias da Diocese de Leiria-Fátima.

Telegram: Leiria-Fátima Chat

Canal de conversação da Diocese de Leiria-Fátima.
Para troca de ideias sobre os canais digitais da Diocese de Leiria-Fátima e partilha de conteúdos entre os seus colaboradores na área da comunicação.

Newsletter

Nota: Depois de submeter a sua inscrição, deve confirmá-la. As instruções estão num email que irá receber.