Numa boa casa está-se mais meio-dia: paróquia dos Pousos envolve comunidade

Este Malaposta escrevia-se mais um bocado. Como a nossa vida na paróquia!

Na manhã de 14 de novembro recebeu-se uma mensagem gravada por um “coração cheio” que referia o segundo encontro de catequese frequentado por jovens e adultos (são os participantes do 11º grupo de catequese, como já se lhes atribui). A reunião da semana passada terminou com uma falta de jeito inesperado: o jeito de ir embora! Assim foi retratado por uma das catequistas presentes. O que é bom de saber ou ler.

Caldinhos que aquecem o coração

Horas antes tinha-se estado duas vezes de volta das castanhas:

na sexta-feira o Centro Infantil do CSPP convocou a família. E escreveu-se assim:

Já se sabe que o CSPP gosta de proporcionar momentos de convívio e diversão entre as famílias que são A SUA FAMÍLIA.

Com o outono chegam os dias mais frios e nada como o quentinho desses momentos para aquecer os nossos corações, criar laços e colecionar memórias. Por isso mesmo, este ano recuperamos uma das nossas mais deliciosas festas: o Caldinho de S. Martinho.

Foi assim que no passado dia 11 de novembro passamos um final de tarde bem tradicional e com cheirinho a Castanhas, onde a família do CSPP se juntou num ambiente festivo, descontraído e animado.

Neste convívio, onde tivemos a oportunidade de saborear uns deliciosos e quentinhos caldinhos, não podemos deixar de agradecer aos restaurantes “Ti Augusta”, “AVIA”, “Leão” e “Loja do Leitão”, bem como a todos os colaboradores, amigos e parceiros que nos ajudaram a tornar este momento possível e especial. Um obrigada cheio de carinho, à Academia Sénior do Cspp, que nos animaram com os cavaquinhos. 

Parabéns à equipa do Centro Infantil por tão grande evento!

E menos de um dia depois foi a catequese da paróquia que provocou um evento idêntico, não menos apetecível ao palato.

Além de alguns benfeitores das sopas serem os mesmos restaurantes, acrescentou-se mais umas panelas deliciosas feitas pelas famílias de algumas crianças, ou por catequistas de alguns dos anos.

A coordenação foi da Comissão de pais, com o auxílio de catequistas.

Celebrar a Palavra, em festa

Na manhã de domingo, dia 13, houve quem chegasse à igreja da paróquia pelas 10H00! Muita gente, aliás. Por causa da chamada Festa da Palavra, típica do ano IV da catequese. Escreveu assim a Sandra Maia, catequista:

foi realizada com toda a comunidade cristã, foi preparada com o coração aberto. 

Foi entregue a cada criança a Bíblia, como forma de os encorajar a ler e a meditar a Palavra de Deus, para comprometerem-se e responsabilizar-se com ela. 

Eu como mãe e catequista quero transmitir que a palavra de Deus não é para ser esquecida, mas para ser lida e vivida. 

A celebração foi muito alegre, as nossas crianças foram muito participativas e emotivas. 

As leituras dos evangelhos cheios de simbologia, onde o nosso querido Padre Luís fez-nos entender e saborear cada mensagem, tendo um dom de cativar e envolver as nossas crianças, catequistas e toda a comunidade, a suas palavras cheias de simplicidade e humildade faz-nos acreditar e ter fé que juntos somos mais fortes e com certeza mais felizes. 

Um bem haja a todos nós, um gosto pertencer a esta comunidade onde me acolhe tão bem. 

Estou de coração cheio Luz. 

Um outro texto recebido, mas não assinado:

Eis que as crianças, que acompanhamos, têm vindo a aprender a viver à luz de Deus.

Durante a catequese deste ano, temos vindo e assim continuaremos, a falar da Bíblia – livro que contém a Palavra de Deus. Jesus comunicou-nos a Palavra de Deus e ensinou-nos tudo o que devemos fazer, para chegar ao Pai. Através dela, em cada dia, podemos ouvir a voz de Deus, pois é no nosso coração, que Ele quer habitar. Para que possamos transmitir o testemunho de vida cristã, temos de nos alimentar da Palavra de Deus. Tal como, Maria, abramos a porta dos nossos corações procurando ler, rezar e meditar, a Palavra de Deus. 

No passado dia 13, realizámos na nossa paróquia a Festa da Palavra, com os nossos alunos, que frequentam o 4.* ano da catequese.

Receberam a Bíblia, pelas mãos da pessoa que com tanto carinho, escolheram para o fazer. Pais, padrinhos, tios, avós, bisavós, irmãos, alguns vindos de longe, cumpriram a sua missão de forma esplendorosa. Era visível nos seus rostos, o orgulho de partilharem  com as nossas crianças, mais um momento marcante no percurso da vida Cristã.

Enquanto catequistas, apraz-nos agradecer às nossas crianças, que com todo o carinho, acompanhamos. Aos pais pelo apoio , colaboração e dedicação em toda a celebração. A todos os demais, que nos acompanharam neste dia, e que contribuíram para que o mesmo decorresse em pleno. Foi um dia que preparámos com rigor, dedicação e empenho.

Somos, sem dúvida, umas catequistas abençoadas por ter ao nosso lado, um elenco de excelência.

Ao Padre Luís, por toda ajuda preciosa, palavras de apreço e incentivo. Pela celebração maravilhosa, com que nos brindou. Bem-haja

O pároco também foi mimado no que se escreveu. Deste modo:

Bom dia, P. Luís. Em nome das catequistas do 4º ano queremos agradecer a sua colaboração na nossa festa da Palavra.

A cerimónia decorreu muito tranquila e cheia de significado.

O P. Luís consegue sempre surpreender-nos com a sequência que vai dando aos momentos as ligações que faz dos textos para a vida em si, e as suas palavras chegam sempre aos nossos corações, saímos transformados.

Destacamos um momento particularmente emotivo em que vimos alguns pais com a lagrima no canto do olho, foi o da leitura da dedicatória ( texto maravilhoso)em solicitou depois  o abraço ao adulto que estava ao lado. 

Felizes ficamos com a alegria dos meninos,  por escolherem os padrinhos, avós tios irmãos mais velhos e até uma bisavó para a entrega da Bíblia e a felicidade de quem foi escolhido para o momento.

Pode contar sempre com as catequistas do 4ºano para trabalhar com empenho na catequese.

Muito, muito obrigada.

As catequistas

O dito texto das dedicatórias é o seguinte:

Dedico-te estas linhas com um misto de sentimentos que que te partilho:

a. Se regressarmos ao dia do nosso batismo, aquela vela que se acendeu no Círio da igreja (e que foi um sinal belo de Deus a convidar-Se para entrar na nossa casa), já precisava que um dia tivesses na mão esta Bíblia, para enriquecer-nos ainda mais;

b. A Bíblia é o mais famoso, mais impresso, mais lido, mais traduzido… livrinho da terra! Sabes porquê? Se calhar porque toda a gente do mundo quer escutar Deus. Ou porque Deus quer falar de Si e do seu amor, a todos. Ou ambas as coisas!

c. Nesta Bíblia poderás ler sempre um episódio que te recordo: Jesus encontrou Zaqueu e disse-lhe “quero ficar em tua casa”; e o publicano ficou tão contente que correu a receber Jesus na sua casa e na sua vida!

d. E recordo-te um segundo episódio: quando a criança Samuel perguntou ao sacerdote Eli sobre a “Voz” que pronunciava o seu nome, teve como sugestão: Samuel, responde “falai, Senhor, que eu escuto”.

A minha alegria de estar hoje contigo associa tudo isto.

Não tenhas medo de Deus a encontrar-se contigo outra vez, nem deixes de O procurar sem receios.

Escuta quem te fala de Deus, lê linhas desta bíblia, pergunta as tuas dúvidas, reza por causa do que escutas, pensa nos significados dos gestos e das palavras. Deixa-te ser melhor pessoa por aquilo que aqui visites.

Na Bíblia também reforçamos a nossa ligação uns aos outros, e deixamos o mundo bem melhor.

E foi assinado por cada ofertante.

Lembram-se da festa do acolhimento? Ainda não está esquecida!

E chegaram há minutos mais umas linhas. Ou seja: nesta boa casa continuamos mais meio dia e mais quinze!

Nessa tarde seríamos 500 pessoas na igreja. E ficava-se mais meio dia!

Aquele acolhimento foi duplo: por um lado conhecemos uma a uma as crianças que iniciaram a frequência da catequese na nossa paróquia; e por outro lado conhecemos a Margarida e a Leonor, trazidas ao colo pelos seus pais, a fim de celebrarem a Unção dos Catecúmenos, associada ao anúncio do batismo.

O Filipe Ferreira, catequista, escreveu assim, para nosso deleite e boa memória futura:

Possivelmente, estamos habituados a procurar Deus nas grandes coisas da vida, boas ou menos boas, e esquecemo-nos de que a sua presença também se manifesta nos aspectos mais simples do nosso quotidiano. No sábado passado, vivemos um desses momentos!

Foi com muita alegria que os novos catequizandos do 1.º ano, e algumas crianças do ano seguinte, seus pais, foram acolhidos numa celebração com várias dinâmicas, pondo em especial evidência o sentido de comunidade.

Foi um momento especialmente vivido pelos meninos e meninas mais novos, mas também pelos do 10º ano, que receberam os “novatos”, os trouxeram pela mão para dentro da igreja paroquial e os apresentaram individualmente no início da Eucarístia.

O acolhimento como o “ato ou efeito de acolher” expressa, implica uma ação de aproximação, um “estar com” e um “estar perto de”, ou seja, uma atitude de relacionamento. Foi de uma forma simples que os jovens do 10 º ano foram à descoberta dos mais novos e se interessaram por eles. Descobriram os seus nomes, a expressão dos seus olhares maravilhados e algo nervosos. Com a ajuda dos Pais descobriram também os seus gostos pessoais e traços das suas personalidades… Conheceram-nos…

Não pensem que a experiência tenha sido só boa para os mais novos: estando atento também aos mais velhos, vimos muitos sorrisos, cumplicidade, alegria pela atenção dada aos mais novos… e por fim, já no final da celebração comentavam, entre si e com sorrisos nos rostos, as traquinices dos mais novos, o sentido de serem modelos, e a alegria do encontro.

Filipe Ferreira

Rebeca e Academia de Sonhos fazem o país vibrar de emoção

Aos poucos ouve-se falar da Academia dos Sonhos. Trata-se do mais recente rosto do Centro Social Paroquial dos Pousos, nascido para integrar um outro universos de cuidados aos “cuidadores”, aos utentes de respostas sociais, ou a outras pessoas maravilhosas (como a Rebeca, nascida no Brasil e adotada por Portugal e pela Praia da Vieira).

O CSPP conheceu a Rebeca. Conheceu porque acompanha e vive o trabalho meritório da SAMP e o trabalho de excelência do Serviço de Cuidados Paliativos do Centro Hospital de Leiria. Nestas três “casas” existem muitas pessoas que estão atentas, de olhar diferenciador, para os outros, para que, nem que seja por momentos, tornem o tempo dos outros com um pouco mais de alento, dando conforto e qualidade à sua vida.

A Rebeca canta, toca e encanta quem a rodeia. Uma força da natureza.

Apesar de se encontrar com pouca saúde física, nada impediu que tivesse tantos à sua volta para lhe aliviar o sofrimento físico nos dias menos bons, aumentar a sua saúde mental e espiritual e continuar a ter sentido VIVER.

“Tem que se pôr novamente a Rebeca a cantar para um público!”, dizia uma das suas cuidadoras. E quem estava por perto reforçou: “E se…!”

Bastou uma pequena conversa entre alguns dos que gostam de cuidar dos outros, para que tudo acontecesse em poucos dias:

Uma reportagem da Sic, em Leiria e em meio hospitalar, acompanhada com os profissionais de saúde e os técnicos e artistas do Aqui Contigo da SAMP; uma viagem marcada em estúdio ao Programa Casa Feliz (dia  15 de novembro); um almoço alargado com vista mar; um novo “dress code” ao gosto da protagonista “uau”! umas botas novas top; uma surpresa preparada por parte da filha e da neta, que tocou todos os que viram. Todos estes bastidores foram assumidos pela Academia dos Sonhos do Centro Social Paroquial dos Pousos. Mas a este projeto e a este sonho, juntaram-se a Teresa F., a Ana N., a Carla da Grazze, a Carla R., o Américo e a empresa Costa & Pereira, Turismo Ldª, com o Norberto e o Mendes. Mais umas centenas de pessoas, das três entidades, acima identificadas, que desta forma informal e empática, se uniram para a celeridade desta atividade em prol de uma pessoa muito especial.

E em toda esta aventura, fica difícil de avaliar quem teve mais alegria e emoção em todo este acontecimento, de colocarmos a Rebeca a partilhar a sua história, a sua voz e a sua energia positiva para o palco de Portugal. Também ela deu sentido à missão e à vida de todos os cuidadores envolvidos.

Os nossos, do CSPP, que aplaudiram de pé e à distância de um ecran de televisão, querem aplaudir ao vivo esta  grande mulher Rebecca, com o seu violão debaixo do seu braço. Fica aqui agora o convite público. Rebeca, é para quando o concerto cá na casa do Centro Social?

A Academia dos Sonhos também já aprendeu a ficar a manhã toda!

O BNI (Business Network International) é uma organização de referência de negócios e tem como princípio: “Ganhar, contribuindo”. Convidaram o projeto Academia dos Sonhos, do Centro Social Paroquial dos Pousos, para fazer uma apresentação do projeto. Cerca de 60 empresários da região escutaram com muita atenção o propósito do projeto e a oportunidade para se envolverem.

E escreveram assim: “O Centro Social Paroquial dos Pousos , Instituição Particular de Solidariedade Social fundada no ano de 1981, esteve presente na nossa reunião para agradecer o nosso contributo e apresentar o projeto Academia de Sonhos.

Parabéns pelo vosso trabalho social! BNI TEAM É TOP!”

Bem hajam pelo convite com desejos dos maiores sucessos, connosco e com o alcance dos vossos objetivos empresariais.

Esta foi a mensagem recebida a propósito desta ação junto de atuais e futuros benfeitores das ações da Academia dos Sonhos

Ficamos por aqui

Este Malaposta escrevia-se mais um bocado. Como a nossa vida na paróquia!

Mas o paginador está a aguardar o envio! E já é mais tarde que o habitual! Temos que terminar por hoje.

Fica a faltar um texto da Inês e umas fotos do 4º ano, e umas frases sobre o Acolhimento, oriundas do lado do 1º ano…

Lá voltaremos!

NUMA BOA CASA ESTÁ-SE MAIS MEIO DIA

Na manhã de 14 de novembro recebeu-se uma mensagem gravada por um “coração cheio” que referia o segundo encontro de catequese frequentado por jovens e adultos (são os participantes do 11º grupo de catequese, como já se lhes atribui). A reunião da semana passada terminou com uma falta de jeito inesperado: o jeito de ir embora! Assim foi retratado por uma das catequistas presentes. O que é bom de saber ou ler.

Caldinhos que aquecem o coração

Horas antes tinha-se estado duas vezes de volta das castanhas:

na sexta-feira o Centro Infantil do CSPP convocou a família. E escreveu-se assim:

Já se sabe que o CSPP gosta de proporcionar momentos de convívio e diversão entre as famílias que são A SUA FAMÍLIA.

Com o outono chegam os dias mais frios e nada como o quentinho desses momentos para aquecer os nossos corações, criar laços e colecionar memórias. Por isso mesmo, este ano recuperamos uma das nossas mais deliciosas festas: o Caldinho de S. Martinho.

Foi assim que no passado dia 11 de novembro passamos um final de tarde bem tradicional e com cheirinho a Castanhas, onde a família do CSPP se juntou num ambiente festivo, descontraído e animado.

Neste convívio, onde tivemos a oportunidade de saborear uns deliciosos e quentinhos caldinhos, não podemos deixar de agradecer aos restaurantes “Ti Augusta”, “AVIA”, “Leão” e “Loja do Leitão”, bem como a todos os colaboradores, amigos e parceiros que nos ajudaram a tornar este momento possível e especial. Um obrigada cheio de carinho, à Academia Sénior do Cspp, que nos animaram com os cavaquinhos. 

Parabéns à equipa do Centro Infantil por tão grande evento!

E menos de um dia depois foi a catequese da paróquia que provocou um evento idêntico, não menos apetecível ao palato.

Além de alguns benfeitores das sopas serem os mesmos restaurantes, acrescentou-se mais umas panelas deliciosas feitas pelas famílias de algumas crianças, ou por catequistas de alguns dos anos.

A coordenação foi da Comissão de pais, com o auxílio de catequistas.

Celebrar a Palavra, em festa

Na manhã de domingo, dia 13, houve quem chegasse à igreja da paróquia pelas 10H00! Muita gente, aliás. Por causa da chamada Festa da Palavra, típica do ano IV da catequese. Escreveu assim a Sandra Maia, catequista:

foi realizada com toda a comunidade cristã, foi preparada com o coração aberto. 

Foi entregue a cada criança a Bíblia, como forma de os encorajar a ler e a meditar a Palavra de Deus, para comprometerem-se e responsabilizar-se com ela. 

Eu como mãe e catequista quero transmitir que a palavra de Deus não é para ser esquecida, mas para ser lida e vivida. 

A celebração foi muito alegre, as nossas crianças foram muito participativas e emotivas. 

As leituras dos evangelhos cheios de simbologia, onde o nosso querido Padre Luís fez-nos entender e saborear cada mensagem, tendo um dom de cativar e envolver as nossas crianças, catequistas e toda a comunidade, a suas palavras cheias de simplicidade e humildade faz-nos acreditar e ter fé que juntos somos mais fortes e com certeza mais felizes. 

Um bem haja a todos nós, um gosto pertencer a esta comunidade onde me acolhe tão bem. 

Estou de coração cheio Luz. 

Um outro texto recebido, mas não assinado:

Eis que as crianças, que acompanhamos, têm vindo a aprender a viver à luz de Deus.

Durante a catequese deste ano, temos vindo e assim continuaremos, a falar da Bíblia – livro que contém a Palavra de Deus. Jesus comunicou-nos a Palavra de Deus e ensinou-nos tudo o que devemos fazer, para chegar ao Pai. Através dela, em cada dia, podemos ouvir a voz de Deus, pois é no nosso coração, que Ele quer habitar. Para que possamos transmitir o testemunho de vida cristã, temos de nos alimentar da Palavra de Deus. Tal como, Maria, abramos a porta dos nossos corações procurando ler, rezar e meditar, a Palavra de Deus. 

No passado dia 13, realizámos na nossa paróquia a Festa da Palavra, com os nossos alunos, que frequentam o 4.* ano da catequese.

Receberam a Bíblia, pelas mãos da pessoa que com tanto carinho, escolheram para o fazer. Pais, padrinhos, tios, avós, bisavós, irmãos, alguns vindos de longe, cumpriram a sua missão de forma esplendorosa. Era visível nos seus rostos, o orgulho de partilharem  com as nossas crianças, mais um momento marcante no percurso da vida Cristã.

Enquanto catequistas, apraz-nos agradecer às nossas crianças, que com todo o carinho, acompanhamos. Aos pais pelo apoio , colaboração e dedicação em toda a celebração. A todos os demais, que nos acompanharam neste dia, e que contribuíram para que o mesmo decorresse em pleno. Foi um dia que preparámos com rigor, dedicação e empenho.

Somos, sem dúvida, umas catequistas abençoadas por ter ao nosso lado, um elenco de excelência.

Ao Padre Luís, por toda ajuda preciosa, palavras de apreço e incentivo. Pela celebração maravilhosa, com que nos brindou. Bem-haja

O pároco também foi mimado no que se escreveu. Deste modo:

Bom dia, P. Luís. Em nome das catequistas do 4º ano queremos agradecer a sua colaboração na nossa festa da Palavra.

A cerimónia decorreu muito tranquila e cheia de significado.

O P. Luís consegue sempre surpreender-nos com a sequência que vai dando aos momentos as ligações que faz dos textos para a vida em si, e as suas palavras chegam sempre aos nossos corações, saímos transformados.

Destacamos um momento particularmente emotivo em que vimos alguns pais com a lagrima no canto do olho, foi o da leitura da dedicatória ( texto maravilhoso)em solicitou depois  o abraço ao adulto que estava ao lado. 

Felizes ficamos com a alegria dos meninos,  por escolherem os padrinhos, avós tios irmãos mais velhos e até uma bisavó para a entrega da Bíblia e a felicidade de quem foi escolhido para o momento.

Pode contar sempre com as catequistas do 4ºano para trabalhar com empenho na catequese.

Muito, muito obrigada.

As catequistas

O dito texto das dedicatórias é o seguinte:

Dedico-te estas linhas com um misto de sentimentos que que te partilho:

a. Se regressarmos ao dia do nosso batismo, aquela vela que se acendeu no Círio da igreja (e que foi um sinal belo de Deus a convidar-Se para entrar na nossa casa), já precisava que um dia tivesses na mão esta Bíblia, para enriquecer-nos ainda mais;

b. A Bíblia é o mais famoso, mais impresso, mais lido, mais traduzido… livrinho da terra! Sabes porquê? Se calhar porque toda a gente do mundo quer escutar Deus. Ou porque Deus quer falar de Si e do seu amor, a todos. Ou ambas as coisas!

c. Nesta Bíblia poderás ler sempre um episódio que te recordo: Jesus encontrou Zaqueu e disse-lhe “quero ficar em tua casa”; e o publicano ficou tão contente que correu a receber Jesus na sua casa e na sua vida!

d. E recordo-te um segundo episódio: quando a criança Samuel perguntou ao sacerdote Eli sobre a “Voz” que pronunciava o seu nome, teve como sugestão: Samuel, responde “falai, Senhor, que eu escuto”.

A minha alegria de estar hoje contigo associa tudo isto.

Não tenhas medo de Deus a encontrar-se contigo outra vez, nem deixes de O procurar sem receios.

Escuta quem te fala de Deus, lê linhas desta bíblia, pergunta as tuas dúvidas, reza por causa do que escutas, pensa nos significados dos gestos e das palavras. Deixa-te ser melhor pessoa por aquilo que aqui visites.

Na Bíblia também reforçamos a nossa ligação uns aos outros, e deixamos o mundo bem melhor.

E foi assinado por cada ofertante.

Lembram-se da festa do acolhimento? Ainda não está esquecida!

E chegaram há minutos mais umas linhas. Ou seja: nesta boa casa continuamos mais meio dia e mais quinze!

Nessa tarde seríamos 500 pessoas na igreja. E ficava-se mais meio dia!

Aquele acolhimento foi duplo: por um lado conhecemos uma a uma as crianças que iniciaram a frequência da catequese na nossa paróquia; e por outro lado conhecemos a Margarida e a Leonor, trazidas ao colo pelos seus pais, a fim de celebrarem a Unção dos Catecúmenos, associada ao anúncio do batismo.

O Filipe Ferreira, catequista, escreveu assim, para nosso deleite e boa memória futura:

Possivelmente, estamos habituados a procurar Deus nas grandes coisas da vida, boas ou menos boas, e esquecemo-nos de que a sua presença também se manifesta nos aspectos mais simples do nosso quotidiano. No sábado passado, vivemos um desses momentos!

Foi com muita alegria que os novos catequizandos do 1.º ano, e algumas crianças do ano seguinte, seus pais, foram acolhidos numa celebração com várias dinâmicas, pondo em especial evidência o sentido de comunidade.

Foi um momento especialmente vivido pelos meninos e meninas mais novos, mas também pelos do 10º ano, que receberam os “novatos”, os trouxeram pela mão para dentro da igreja paroquial e os apresentaram individualmente no início da Eucarístia.

O acolhimento como o “ato ou efeito de acolher” expressa, implica uma ação de aproximação, um “estar com” e um “estar perto de”, ou seja, uma atitude de relacionamento. Foi de uma forma simples que os jovens do 10 º ano foram à descoberta dos mais novos e se interessaram por eles. Descobriram os seus nomes, a expressão dos seus olhares maravilhados e algo nervosos. Com a ajuda dos Pais descobriram também os seus gostos pessoais e traços das suas personalidades… Conheceram-nos…

Não pensem que a experiência tenha sido só boa para os mais novos: estando atento também aos mais velhos, vimos muitos sorrisos, cumplicidade, alegria pela atenção dada aos mais novos… e por fim, já no final da celebração comentavam, entre si e com sorrisos nos rostos, as traquinices dos mais novos, o sentido de serem modelos, e a alegria do encontro.

Filipe Ferreira

Rebeca e Academia de Sonhos fazem o país vibrar de emoção

Aos poucos ouve-se falar da Academia dos Sonhos. Trata-se do mais recente rosto do Centro Social Paroquial dos Pousos, nascido para integrar um outro universos de cuidados aos “cuidadores”, aos utentes de respostas sociais, ou a outras pessoas maravilhosas (como a Rebeca, nascida no Brasil e adotada por Portugal e pela Praia da Vieira).

O CSPP conheceu a Rebeca. Conheceu porque acompanha e vive o trabalho meritório da SAMP e o trabalho de excelência do Serviço de Cuidados Paliativos do Centro Hospital de Leiria. Nestas três “casas” existem muitas pessoas que estão atentas, de olhar diferenciador, para os outros, para que, nem que seja por momentos, tornem o tempo dos outros com um pouco mais de alento, dando conforto e qualidade à sua vida.

A Rebeca canta, toca e encanta quem a rodeia. Uma força da natureza.

Apesar de se encontrar com pouca saúde física, nada impediu que tivesse tantos à sua volta para lhe aliviar o sofrimento físico nos dias menos bons, aumentar a sua saúde mental e espiritual e continuar a ter sentido VIVER.

“Tem que se pôr novamente a Rebeca a cantar para um público!”, dizia uma das suas cuidadoras. E quem estava por perto reforçou: “E se…!”

Bastou uma pequena conversa entre alguns dos que gostam de cuidar dos outros, para que tudo acontecesse em poucos dias:

Uma reportagem da Sic, em Leiria e em meio hospitalar, acompanhada com os profissionais de saúde e os técnicos e artistas do Aqui Contigo da SAMP; uma viagem marcada em estúdio ao Programa Casa Feliz (dia  15 de novembro); um almoço alargado com vista mar; um novo “dress code” ao gosto da protagonista “uau”! umas botas novas top; uma surpresa preparada por parte da filha e da neta, que tocou todos os que viram. Todos estes bastidores foram assumidos pela Academia dos Sonhos do Centro Social Paroquial dos Pousos. Mas a este projeto e a este sonho, juntaram-se a Teresa F., a Ana N., a Carla da Grazze, a Carla R., o Américo e a empresa Costa & Pereira, Turismo Ldª, com o Norberto e o Mendes. Mais umas centenas de pessoas, das três entidades, acima identificadas, que desta forma informal e empática, se uniram para a celeridade desta atividade em prol de uma pessoa muito especial.

E em toda esta aventura, fica difícil de avaliar quem teve mais alegria e emoção em todo este acontecimento, de colocarmos a Rebeca a partilhar a sua história, a sua voz e a sua energia positiva para o palco de Portugal. Também ela deu sentido à missão e à vida de todos os cuidadores envolvidos.

Os nossos, do CSPP, que aplaudiram de pé e à distância de um ecran de televisão, querem aplaudir ao vivo esta  grande mulher Rebecca, com o seu violão debaixo do seu braço. Fica aqui agora o convite público. Rebeca, é para quando o concerto cá na casa do Centro Social?

A Academia dos Sonhos também já aprendeu a ficar a manhã toda!

O BNI (Business Network International) é uma organização de referência de negócios e tem como princípio: “Ganhar, contribuindo”. Convidaram o projeto Academia dos Sonhos, do Centro Social Paroquial dos Pousos, para fazer uma apresentação do projeto. Cerca de 60 empresários da região escutaram com muita atenção o propósito do projeto e a oportunidade para se envolverem.

E escreveram assim: “O Centro Social Paroquial dos Pousos , Instituição Particular de Solidariedade Social fundada no ano de 1981, esteve presente na nossa reunião para agradecer o nosso contributo e apresentar o projeto Academia de Sonhos.

Parabéns pelo vosso trabalho social! BNI TEAM É TOP!”

Bem hajam pelo convite com desejos dos maiores sucessos, connosco e com o alcance dos vossos objetivos empresariais.

Esta foi a mensagem recebida a propósito desta ação junto de atuais e futuros benfeitores das ações da Academia dos Sonhos

Ficamos por aqui

Este Malaposta escrevia-se mais um bocado. Como a nossa vida na paróquia!

Mas o paginador está a aguardar o envio! E já é mais tarde que o habitual! Temos que terminar por hoje.

Fica a faltar um texto da Inês e umas fotos do 4º ano, e umas frases sobre o Acolhimento, oriundas do lado do 1º ano…

Lá voltaremos!

Partilhar / Print

Print Friendly, PDF & Email

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia

plugins premium WordPress