Lectio divina para o Domingo de Ramos, Ano A

As obras do amor
http://lefa.pt/?p=51989

As obras do amor

Por Ana e Nuno Gordalina

Acolhimento e saudação entre os participantes

1. Invocação do Espírito Santo / Oração inicial

– Invoco a presença de Deus –

  1.  Cântico (à escolha, ver anexo)

1.2. Prece

Senhor Jesus,
ajuda-nos a escutar a Tua Palavra,
e a acolhê-la no nosso coração.
Faz-nos conhecer a Tua vontade
e seguir os Teus ensinamentos
para que, saboreando já a beleza do amor,
possamos alcançar a plenitude da vida eterna.


  • Leitura da Palavra

– Escuto e compreendo a Palavra que me é oferecida –

2.1. Leitura do Evangelho segundo São Mateus (25, 31-46)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:  31«Quando o Filho do Homem vier na sua glória,  acompanhado por todos os seus anjos,  há-de sentar-se no seu trono de glória.  32Perante Ele, vão reunir-se todos os povos  e Ele separará as pessoas umas das outras,  como o pastor separa as ovelhas dos cabritos.  33À sua direita porá as ovelhas e à sua esquerda, os cabritos.
34O Rei dirá, então, aos da sua direita:  ‘Vinde, benditos de meu Pai!  Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo.  35Porque tive fome e destes-me de comer,  tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me,  36estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me,  estive na prisão e fostes ter comigo.’
37Então, os justos vão responder-lhe:  ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer,  ou com sede e te demos de beber?  38Quando te vimos peregrino e te recolhemos, ou nu e te vestimos?  39E quando te vimos doente ou na prisão, e fomos visitar-te?’  40E o Rei vai dizer-lhes, em resposta:  ‘Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto  a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes.’
41Em seguida dirá aos da esquerda: ‘Afastai-vos de mim, malditos,  para o fogo eterno, que está preparado para o diabo e para os seus anjos!  42Porque tive fome e não me destes de comer,  tive sede e não me destes de beber,  43era peregrino e não me recolhestes, estava nu e não me vestistes,  doente e na prisão e não fostes visitar-me.’  44Por sua vez, eles perguntarão:  ‘Quando foi que te vimos com fome, ou com sede,  ou peregrino, ou nu, ou doente, ou na prisão, e não te socorremos?’  45Ele responderá, então:  ‘Em verdade vos digo: Sempre que deixastes de fazer isto  a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer.’ 
46Estes irão para o suplício eterno,  e os justos, para a vida eterna.»

Palavra da Salvação.

  • Leitura pessoal

– Volto a ler, em silêncio: o que diz o texto? –

2.3. Notas para a compreensão do texto

Por volta dos anos 80, Mateus escreve o seu evangelho a uma comunidade a quem era urgente reavivar a fé. O entusiasmo inicial pela vinda iminente de Jesus para instaurar o Reino definitivo já passara e muitos cristãos estão desinteressados e acomodados. A fé é vivida de forma rotineira, morna, pouco exigente e pouco comprometida. Alguns, diante das dificuldades, deixam a comunidade e renunciam ao Evangelho.

O texto do juízo final é a conclusão das três parábolas precedentes: a do mordomo fiel e do infiel, a das jovens previdentes e das descuidadas e a dos talentos. Em todas elas, Mateus apresenta dois grupos de pessoas com comportamentos diversos, enquanto esperavam a vinda do Senhor Jesus. Esta última mostra qual será o fim tanto de uns como de outros: o daqueles que se mantiveram fiéis e vigilantes no cumprimento dos mandamentos do Senhor e o daqueles que não quiseram ou foram capazes de o fazer, conduzindo a vida de acordo com outros interesses e preocupações.

O texto de Mateus está na linha da tradição apocalíptica bíblica e judaica. Trata-se de uma revelação relativa às coisas últimas, ao juízo universal. Nela aparece o “Filho do Homem”, figura simultaneamente humana e celeste que tem um papel fundamental na instauração do Reino de Deus e na recondução dos eleitos para Deus. Jesus identifica-se com esta personagem gloriosa. Ele virá encerrar a história e assumir a realeza que foi escondida no tempo.

A questão decisiva parece ser, na perspetiva de Mateus, a atitude de amor ou de indiferença para com os irmãos mais pequeninos de Jesus, que se encontram em situações dramáticas de necessidade – com fome, sede, como peregrinos, sem ter que vestir, os doentes, os presos… Jesus identifica-Se com os pequenos, os pobres, os débeis, os marginalizados. Manifestar amor e solidariedade para com os necessitados é fazê-lo ao próprio Jesus; e agir com egoísmo e indiferença para com eles é fazê-lo ao próprio Jesus.

  • Meditação Pessoal

– Medito interiormente a Palavra acolhida: o que me diz o Senhor? –

«Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes».

Este é o amor pelo próximo, que cada um deve manifestar, sabendo que qualquer obra de caridade que fazemos é ao próprio Cristo que a fazemos, que Ele está no necessitado e sussurra-nos: “Sou eu mesmo que estava com fome, que tinha sede, que estava só em terras estranhas, que precisava de roupa, que estava na prisão e no hospital”.

  • Sou capaz de ver Jesus no próximo: no que tem fome ou passa sede, no estrangeiro, preso ou doente? Consigo olhar a vida com os olhos de Deus?

«‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? (…) E responderão também eles (os malditos): Quando foi que te vimos com fome, ou com sede, ou peregrino, ou nu, ou doente, ou na prisão, e não te socorremos?» 

Percebemos que tanto “os justos” como “os malditos” escutaram as mesmas palavras do Senhor e passaram por idênticas situações existenciais: pobreza, fome, sede, etc. e ambos se dirigem a Deus com as mesmas palavras: «Senhor …quando?».  O que então distingue uns dos outros é o que fizeram ou deixaram de fazer, se cuidaram ou não dos seus irmãos. Já não é suficiente não fazer o mal. É preciso fazer o bem!

  • E eu, será que tenho estado atento às necessidades do próximo? O que tenho feito pelas pessoas necessitadas, desprovidas, marginalizadas? Vivo para as obras de amor ou fechado em mim mesmo no egoísmo?

«Estes irão para o suplício eterno, e os justos, para a vida eterna.»

O critério de Deus é o amor concretizado em ações. Aqueles que não seguiram os seus ensinamentos e desprezaram os pobres, doentes, nus…, estarão destinados a viver longe de Deus e do Seu Amor.  Aqueles, porém, que deram atenção às necessidades do seu próximo receberão a herança dos justos.  Esta é uma vida eternamente perto de Deus, no paraíso, para o qual fomos criados. Obter a vida eterna é viver plenamente na perfeição da santidade.

  • E eu, estou disposto a percorrer o caminho da santidade, praticando as obras do amor? Que atitudes quero assumir na minha vida? E na minha comunidade?
  • Partilha da Palavra

– Partilho com os outros o dom recebido: que posso oferecer-lhes? –

Comunico uma palavra ou frase que me interpelou. Posso também partilhar algo do que rezei na minha intimidade. Esta minha participação deve ser voluntária e breve.

  • Oração

– A partir do que escutei e vivi neste tempo, falo com o Senhor –

Faço uma oração espontânea a partir do texto lido ou da meditação feita.

Posso também fazer a oração proposta para este triénio pastoral ou a que se segue:

Ó Jesus, Divino Modelo da Caridade,
dá-nos aqueles puros sentimentos de amor ao próximo,
de que nos deixaste tão admiráveis exemplos.
Faz com que aprendamos a reconhecer-Te nos mais pequeninos,
a fim de que nos comprometamos com o bem
e sejamos vigilantes na oração e no amor.
Dá-nos a dimensão da Tua divina caridade,
e, que no dia do Juízo Final,
possas reconhecer-nos como servos bons e fiéis,
à Tua semelhança. Ámen.

  • Compromisso

A que me convida, hoje, o Senhor? –

Faço um momento de silêncio e formulo um compromisso pessoal.

Posso também propor um gesto ou iniciativa comunitária.

Cântico final (à escolha, ver anexo)

7. Em casa:

– Levo para a vida a mensagem que acolhi –

No seguimento do encontro de grupo, procurarei dedicar algum tempo (15-20 minutos), num ou mais dias da semana, para retomar a meditação e contemplação da Palavra de Deus e nela encontrar a luz e a força de Deus para a sua vida no dia-a-dia.

Repositório LECTIO DIVINA
https://bit.ly/2W4uDI6
O módulo não pode ser fornecido porque o conteúdo solicitado não é (por mais tempo) acessível. Entre em contato com o administrador para obter acesso.

Partilhar / Print

Print Friendly, PDF & Email

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia

plugins premium WordPress