Lectio divina para o I domingo do Advento (29/11/2020)

Os verdadeiros cristãos reconhecem que a sua vida, capacidades e bens são dons de Deus. Por isso, vivem com gratidão para com ele e encontram nele o fundamento da própria fé e esperança.

Viver e celebrar com gratidão e esperança em Deus

Breve introdução

Não se pode assumir a vida apenas como cumprimento de obrigações ou com orgulho pelos próprios conhecimentos e bens, num sentimento de autossuficiência e de altivez. Os verdadeiros cristãos reconhecem que a sua vida, capacidades e bens são dons de Deus. Por isso, vivem com gratidão para com ele e encontram nele o fundamento da própria fé e esperança. Qual é a minha atitude predominante na vida?  

Preparando-nos para a celebração do Natal de Jesus, o tempo de Advento, evoca a experiência espiritual do antigo povo de Deus na espera do Messias, aviva a esperança da segundo vinda do Senhor, que invocamos na Eucaristia dizendo “Vinde, Senhor Jesus!”, e desperta-nos para o encontro espiritual com Jesus vivo na vida quotidiana e, em especial, na Eucaristia.

Empenhemo-nos na preparação pessoal, familiar ou de grupo, para o encontro com o Senhor na celebração comunitária da Eucaristia, no próximo domingo. Escutemos juntos a Palavra de Deus, buscando nela luz, sabedoria e esperança para a vida quotidiana.

1. Invocação

Pai santo, nós te damos graças pela vida, a fé e tantos outros dons. 

A tua palavra nos ensine a ser-te grato e nos inspire a participar na Eucaristia bendizendo-te pela tua imensa bondade. Ámen.

2. Escuta da Palavra de Deus

2.1. Vamos ouvir o início da carta S. Paulo à comunidade cristã de Corinto. O Apóstolo saúda os cristãos e dá graças a Deus pela abundância de dons que lhes concedeu através de Jesus Cristo. Eles vivem entre duas situações: o passado, quando receberam o dom da fé, e o futuro, caracterizado pela espera da “manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo”. Graças à fidelidade de Deus, a ação de Cristo neles é fonte de esperança para corresponderem e viverem plenamente a sua vocação até à comunhão total com Cristo, quando se manifestar totalmente.

2.2. Leitura da Primeira carta de S. Paulo aos Coríntios (1, 3-9)

3Graça e paz vos sejam dadas da parte de Deus, nosso Pai, 

e do Senhor Jesus Cristo.
4Dou incessantemente graças ao meu Deus por vós, 

pela graça de Deus que vos foi concedida em Cristo Jesus. 

5Pois nele é que fostes enriquecidos com todos os dons, 

tanto da palavra como do conhecimento. 

6Assim, foi confirmado em vós o testemunho de Cristo, 

7de modo que não vos falta graça alguma, 

a vós que esperais a manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo. 
8É Ele também que vos confirmará até ao fim, 

para que sejais encontrados irrepreensíveis no Dia de Nosso Senhor Jesus Cristo.

9Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão com seu Filho, 

Jesus Cristo Nosso Senhor.

2.3. Breve comentário

A pregação do Evangelho encontrou nos coríntios grande adesão. A generosidade de Deus foi abundante, derramando naquela comunidade múltiplos dons do Espírito. Desenvolveu-se ali uma Igreja dinâmica e Paulo sentiu a necessidade de orientar para o bem comum os dons particulares recebidos e também para que os crentes mantivessem firmes “o testemunho de Cristo”. O Apóstolo dá então graças a Deus por estes cristãos e pela riqueza espiritual que neles se manifestou. É pela ação de Cristo neles que podem viver a esperança e a comunhão com Cristo.

Cada cristão recebeu igualmente dons espirituais no batismo e nos demais sacramentos. Ficaram unidos a Cristo e caminham rumo ao futuro, animados pela esperança que vem dele. A comunhão com Cristo gera entre os fiéis a comunhão fraterna, quando partilham uns com os outros os dons e bens materiais e espirituais que recebem. De que dons me sinto beneficiário? Que dons posso partilhar com os outros e receber deles?

Em cada Eucaristia, o sacerdote saúda os fiéis com as palavras de Paulo ou com outras semelhantes: “A graça e a paz de Deus, nosso Pai, e de Jesus Cristo, nosso Senhor, estejam convosco”. E os fiéis respondem: “Bendito seja Deus, que nos reuniu no amor de Cristo”. Manifestam assim o reconhecimento a Deus e confessam que foi ele quem tomou a iniciativa de os reunir no amor de Cristo. A Eucaristia é ação de graças de Cristo ao Pai no Espírito, na qual também os fiéis participam, juntando os próprios motivos de agradecimento. Entre os bens pelos quais dão graças, pois os recebem da bondade de Deus”, estão o pão e o vinho, que reconhecem como “frutos da terra, da videira e do trabalho do homem” e que se tornarão “pão da vida e vinho da salvação”. E os fiéis respondem com a oração de bênção: “Bendito seja Deus para sempre”. Na celebração, damos graças a Deus pela sua obra e pelos dons que gratuitamente nos concede.

3. Silêncio meditativo e diálogo

 – Dou incessantemente graças ao meu Deus por vós, pela graça de Deus que vos foi concedida em Cristo Jesus. A obra maravilhosa de Deus na comunidade cristã de Corinto é motivo da ação de graças de Paulo. Que motivos identificamos na família, na comunidade e na nossa vida para agradecer a Deus? Com que frequência o fazemos?

(Em Jesus Cristo) é que fostes enriquecidos com todos os dons, tanto da palavra como do conhecimento. Ser cristão é conhecer e participar da vida e dos dons de Jesus Cristo. Procuramos conhecê-lo no estudo e na escuta orante no Evangelho, tanto pessoalmente como na comunidade cristã?

… não vos falta graça alguma, a vós que esperais a manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo. Recebemos o Evangelho, a fé, os sacramentos, a comunidade cristã… Falta-nos alguma coisa para vivermos plenamente como cristãos neste tempo? 

É Ele também que vos confirmará até ao fim, para que sejais encontrados irrepreensíveis no Dia de Nosso Senhor Jesus Cristo. É Jesus quem nos fortalece, faz crescer, purifica, santifica e guia para ele. Deixamo-nos efetivamente ajudar por ele?

Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão com seu Filho, Jesus Cristo Nosso Senhor. Conscientes da nossa debilidade, podemos contar com a fidelidade de Deus, que quer a todo o custo levar a bom termo a vocação a que nos chamou. Confiamos na graça de Deus e em Jesus Cristo que sustentam a nossa esperança e os esforços para que a nossa vida cristã dê bons frutos?

– Em cada Eucaristia, apresentamos no altar o pão e o vinho, expressão dos dons que recebemos de Deus e se tornam comunhão com Cristo e força para a comunhão fraterna. Apresento ao altar com gratidão os dons materiais, pessoais e espirituais que constantemente recebo de Deus?

4. Oração final e gesto familiar

– Em silêncio, perguntando: Senhor, que queres dizer-me com esta palavra?, cada um procura escutar e descobrir dentro de si o que Jesus ilumina, inspira ou sugere… 

– Depois, com palavras ou algum gesto, pode partilhar com os outros o que sentiu e o compromisso que assume. Podem dizer a que missa vão no domingo.

– Terminam, levantando as mãos e rezando juntos o Pai Nosso.

(Se a família ou grupo quiserem, podem enriquecer o encontro com um cântico)

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia…

Partilhar

Share on facebook
Share on twitter

Print

Print Friendly, PDF & Email

REDE - Revista Digital

Mais recente

Telegram: Leiria-Fátima News

Todas as notícias de www.leiria-fatima.pt em primeira mão no seu smartphone.
Canal unidirecional para divulgação de notícias da Diocese de Leiria-Fátima.

Telegram: Leiria-Fátima Chat

Canal de conversação da Diocese de Leiria-Fátima.
Para troca de ideias sobre os canais digitais da Diocese de Leiria-Fátima e partilha de conteúdos entre os seus colaboradores na área da comunicação.

Newsletter

Nota: Depois de submeter a sua inscrição, deve confirmá-la. As instruções estão num email que irá receber.