A porção de dor: um bem necessário na missão

Muita coisa se pode dizer sobre viagens da vida, sobre as pessoas, os seus comportamentos, as suas diferenças (e o tanto que temos em comum). Mas pouco talvez tenha esta ida-volta de simples viagem. Não foi só isso.
15 de Maio, dia em que voei de Portugal para a Etiópia

Entre o nascer e o pôr do Sol parecem ser contidas tantas imagens. E elas viajam na minha cabeça como se ontem tivessem sido vividas.

Passou um ano. Fui e voltei a essa Terra Prometida, à linda Etiópia na qual deixei e trouxe muito amor.

Muita coisa se pode dizer sobre viagens da vida, sobre as pessoas, os seus comportamentos, as suas diferenças (e o tanto que temos em comum). Mas pouco talvez tenha esta ida-volta de simples viagem. Não foi só isso.

Comunidade de LMC na Etiópia
Com crianças na Casa das Irmãs de Madre Teresa de Calcutá
Com catequistas
Comunidade LMC na Etiópia – Eu, o David e o Pedro
Catequistas em Gilgil Beles
Visita a recém mamã
Com o Pe. Endrias em Kilenzo
Numa festividade com  o povo local em Arwato

Durante algum tempo (o, para mim, tão necessário) doeu assumir que esta “mais que viagem”(ou “experiência” – como muitos lhe chamam, conotando-a de um sentido tão minimalista) talvez não tenha sido metade do que esperava. Foi mais longa que aquilo a que me propunha. Está a ser mais longa. Começou no momento em que disse “sim, eu quero Seguir-Te, eu quero tentar!” e prolonga-se hoje. Prolongar-se-à até que eu queira. Pensava que estaria 2 anos nessa bela Etiópia. Estive apenas (?) três meses. Mas esses três meses desdobram-se em vários anos, numa vida, num modo de vida.

E com alguma vergonha assumo esta dor de não ter sido bem o que esperava. Na realidade, não sei o que esperava. Talvez esperasse outras coisas. Esperar é sempre a expectativa que tens da missão. E, por mais que possa eu dizer que não tinha expectativas, como não tê-las com uma tão longa preparação para a partida. Expectativas têm-se sempre quando se sonha. Chamei muitas vezes a esta preparação o tempo de gestação, o tempo em que a mãe espera pelo momento em que a sua cria vem ao mundo. E o tempo de gestação da partida não foram “meros” 9 meses. Foi bem mais longo, mas nem por isso (e nunca) em vão. Aí já estava em missão, ainda que nem sempre o conseguisse alcançar/sentir. 

E vergonha de assumir a dor porque não há que a sentir. Não há que ter sentir receio de sentir a dor. Eu esperava uma coisa. Deus deu-me outra. E doeu perceber que, por Deuscidências, teria que voltar. Doeu perceber que não tinha/podia ser segundo os “meus” planos, mas que me tinha que abandonar e confiar nAquele que me convidou, me trouxe e me conduz na missão. Talvez nunca tenha falado muito desta dor, do quanto doeu “ter” que regressar, do quanto doeu fazer as malas e voltar, pensando que iria regressar num futuro próximo e, afinal, não. Esse futuro próximo não chegou e as malas não voltaram a ser refeitas.

Ao ser humano é difícil, por vezes, falar sobre aquilo que não conhece bem. Custa-nos muito assumir que há coisas que vão contra o que tínhamos pensado, por preconcebermos que falhámos em algo. Mas não se trata de falhar! Simplesmente a meta não era aquela que pensávamos, mas outra. Outra fora do nosso campo de visão inicial. E quando se trata de amar e ser missão, entramos num vasto campo de caminhos. E, seja qual for aquele que tomamos, nunca poderemos ter a sensação que falhámos. Falhar o quê?

Quando após revisitarmos a dor algumas vezes, como e porque nos fere, aprendemos a habitar com ela e percebemos que ela não é “só” dor. Hoje já não é mais dor. Hoje é um bem! 

“Sabemos que aceitámos um sofrimento quando extraímos dele algum bem e, consequentemente damos graças por tê-lo padecido. (…) Depois de tudo isto, convém bem afirmar que a dor é o nosso mestre principal. A lição da realidade – que é a única digna de ser ouvida – não a aprendemos sem dor. (…) porque chega a um ponto em que uma pessoa deseja sentar-se todos os dias com a sua porção de dor, frequentá-la, conhecê-la, domesticá-la… sem deixar de ser o que é, a dor vai mudando de sinal à medida que a frequentamos.”

in «A Biografia do Silêncio», de Pablo d’Ors

28 de Agosto, quando regressei da Etiópia para Portugal

Olhar para trás é reconhecer o bem que foi ir. E o bem que foi regressar. É voltar lá, olhar as pessoas e saber que estivemos juntos para nos amarmos. E sim, a missão continua.

PS: aos meus amigos, companheiros de “viagem” David e Pedro um grande e infinito obrigada por seguirem juntos a missão na Etiópia, por serem sinal de Cristo (não só para o povo de lá, mas para todos nós) e por toda a vida que partilhámos (e continuamos a partilhar).

Leia esta e outras notícias na...

Partilhar

Share on facebook
Share on twitter

Print

Print Friendly, PDF & Email

REDE - Revista Digital

Mais recente

Telegram: Leiria-Fátima News

Todas as notícias de www.leiria-fatima.pt em primeira mão no seu smartphone.
Canal unidirecional para divulgação de notícias da Diocese de Leiria-Fátima.

Telegram: Leiria-Fátima Chat

Canal de conversação da Diocese de Leiria-Fátima.
Para troca de ideias sobre os canais digitais da Diocese de Leiria-Fátima e partilha de conteúdos entre os seus colaboradores na área da comunicação.

Newsletter

Nota: Depois de submeter a sua inscrição, deve confirmá-la. As instruções estão num email que irá receber.