Um Natal com São José

Uma das palavras que o Santo Padre nos transmite e repete acerca de S. José é “ternura”. E tem razão. José apercebe-se da gravidez incompreensível da sua desposada.

No dia 8 de Dezembro de 2020 o Papa Francisco proclamou o ano de S. José que terminará a 8 de dezembro de 2021. Faz todo o sentido que comecemos a meditar sobre a vida deste grande santo no tempo de advento, isto é, de preparação para a vinda de Deus à terra, ou seja, o nascimento de Jesus. 

Uma das palavras que o Santo Padre nos transmite e repete acerca de S. José é “ternura”. E tem razão. José apercebe-se da gravidez incompreensível da sua desposada. Haviam celebrado os esponsais, mas ainda não tinha levado Maria para sua casa. Em vez de seguir os usos da época e do lugar: denunciar a esposa para que fosse punida, toma uma atitude de ternura. Parece-lhe impossível haver qualquer falta na conduta de Maria, pois a conhecia muito bem; por isso não entende a realidade. Não a julga, não a condena, mas tenciona afastar-se. A ternura que sente por ela leva-o a ser compreensivo, a não julgar, a perdoar, quem sabe. Sim, sem se aperceber disso ainda, José iria ser o guardião, o protector daquele que já tinha chegado à terra para perdoar. Iria colaborar na obra divina do perdão e da redenção.

Após o sonho em que um Anjo lhe revela o segredo de sua esposa e a sua vocação de pai adoptivo do próprio Deus, a sua ternura aumenta e eleva-se: se já era grande em relação a uma criatura humana, a Virgem Maria, irá manifestar-se de modo excelente em relação ao Menino Deus. José é humilde (obedece), sensato (é discreto e cuidadoso), prudente (escolhe as soluções menos arriscadas) e heroico (suporta incomodidades, o exílio no Egipto, as viagens perigosas, a tristeza ao perder Jesus no templo). José, ao lado de Maria, é o exemplo do homem justo, é o modelo do que devem ser os homens: cheios de ternura para com a esposa e filhos aos quais oferecem a fortaleza da castidade; o sentido da responsabilidade ao não abandonarem a sua vocação para a santidade; trabalhadores atentos às necessidades da família; disponíveis para cumprir a vontade de Deus.

S. José foi um pai responsável pela formação humana do Filho de Deus: ensinou-lhe um ofício, o seu. Talvez lhe tenha ensinado a dizer “mamã” quando o tinha a seu lado, na oficina, dentro do berço que ele próprio lhe fizera. Talvez se enternecesse ao ouvir o Menino chamar repetidamente “mamã, mamã” para que Maria lhe pegasse ao colo e o mimasse entre as lides da casa. Seria esse o primeiro rosário? “Mamã, mamã”, como repetimos em cada Avé Maria quando a invocamos. Não estará S. José presente em cada terço? Não devemos nós ensinar aos nossos filhos as suas primeiras orações como fez S. José com Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem?

S. José teve ternura para com os homens. Entregou-nos Jesus, sabendo que o trataríamos mal e que O iríamos crucificar, mas perdoou-nos, fazendo como Jesus o faria. Deus fez que José morresse antes de Jesus para permitir o Seu pleno perdão, esse cumprimento da promessa divina de salvar os homens das consequências do pecado. 

É isto que vai acontecer em cada confissão de Natal, também pela mão de S. José. 

Receba as notícias do SÍNODO em tempo real

Pode, ainda, escolher quais as notícias que quer receber: destaques, lectio divina, catequese, da sua paróquia…

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia

Leia esta e outras notícias na...

Escrito por:

Partilhar / Print

Print Friendly, PDF & Email

REDE - Revista Digital

Mais recente