O meu livro

Enfim, os adultos acabam sempre por falar do “meu livro”, a quele que mais os inspira para a vida.

Sim, seria mais correto escrever “o nosso livro” no título do artigo, já que cada livro é, em princípio, um presente do escritor aos seus leitores. A sua posse começa quando o nosso olhar é atraído pela capa, o título, o nome do autor, ou o tema e pegamos nele, e o folheamos, e lemos o índice ou alguns trechos. A partir daí, já é um pouco mais “nosso”. Podemos adquiri-lo, para o oferecer ou para ser “meu”. 

Uma vez comprado, o livro está já na minha casa, mas ainda não é completamente “meu”. Os estudantes mais jovens, por exemplo, possuem livros de estudo que os podem interessar ou deixar indiferentes. Apesar disso, devemos muito aos bons livros de estudo. Graças a eles, e aos professores, aprendemos os primeiros rudimentos da “nossa” cultura. Se nos serviram para aumentar os nossos conhecimentos, isso significa que a razão captou na memória e inteligência as ideias escritas nesses manuais. Assim, eles tornaram-se mais “nossos”. Esses conhecimentos irão acompanhar-nos ao longo da vida, permitindo que a inteligência se desenvolva e se torne capaz de entender novas ciências, idiomas, ideias… Em algum momento, ficamos aptos a escolher as nossas leituras (romances, astronomia, aventuras, filosofia…) 

Alguns autores dizem “o meu livro”, querendo significar com isso que são os seus autores. Têm razão. Os escritores costumam estudar, investigar, pensar, trocar impressões com amigos antes de pôr por escrito as suas ideias. Mas, ao publicá-las, estão a oferecê-las, dando-as a conhecer, aos leitores que, por sua vez, as assimilarão (ou rejeitarão), intelectualmente, como acontece com os alimentos que tomamos. Há que ter o mesmo cuidado na escolha dos livros como na escolha dos alimentos. Há que usá-los nas devidas quantidades e capacidades; também com alguma diversidade. Há bons livros de humor inteligente e formativo. Também a boa poesia ajuda a pensar e a sentir, graças à inspiração do poeta. A métrica e a rima levam a memorizar poesias que aprendemos na juventude que ainda podemos recitar… Não esqueçamos igualmente a ciência da sabedoria popular própria dos provérbios, e alcançar o seu significado. Eis um exemplo: “Água mole em pedra dura/ Tanto dá até que fura”.

Recordemos, por fim, os livros de Filosofia. São talvez aqueles que mais incentivam ao diálogo. Lendo-os, somos levados a concordar ou discordar, a imaginar exemplos a favor ou contra, a reler para melhor compreender as ideias do escritor, a sublinhar, fazer traços verticais nas margens para marcar as linhas ou parágrafos que nos interessam. Há quem tome nota, nas folhas em branco do final dos livros, de frases ou tópicos que desejam rever.

Enfim, os adultos acabam sempre por falar do “meu livro”, a quele que mais os inspira para a vida, o que mais sabedoria lhes transmitiu, aquele que levariam consigo para uma ilha deserta, o que os faria sentir livres e seguros em qualquer circunstância. 

Um dos mais mencionados de tais livros como sendo “o meu livro” é a Bíblia. Qual é o seu?

Nota: Em Portugal, é popular a personagem “Mafaldinha” de Quino. Em castelhano, é conhecida a “História de la Gente”, de Mingote.

Receba as notícias do SÍNODO em tempo real

Pode, ainda, escolher quais as notícias que quer receber: destaques, lectio divina, catequese, da sua paróquia…

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia…

Leia esta e outras notícias na...

Escrito por:

Partilhar / Print

Share on facebook
Share on twitter
Print Friendly, PDF & Email

REDE - Revista Digital

Mais recente

Telegram: Leiria-Fátima News

Todas as notícias de www.leiria-fatima.pt em primeira mão no seu smartphone.
Canal unidirecional para divulgação de notícias da Diocese de Leiria-Fátima.

Telegram: Leiria-Fátima Chat

Canal de conversação da Diocese de Leiria-Fátima.
Para troca de ideias sobre os canais digitais da Diocese de Leiria-Fátima e partilha de conteúdos entre os seus colaboradores na área da comunicação.

Newsletter

Nota: Depois de submeter a sua inscrição, deve confirmá-la. As instruções estão num email que irá receber.


Obrigado a quem nos ajuda!

Estes são os nossos mais recentes benfeitores:

Se quiser fazer o seu donativo...

Por Multibanco:

Entidade: 21 800
Referência: 351 617 062
Valor: (*)

Obs:
* o mínimo permitido com esta referência é de 10,00€
Os donativos feitos por esta via não permitem identificar o remente.
Se não pretenderem anonimato, devem enviar um email ou sms a informar a oferta: 
gic@leiria-fatima.pt