Relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo apresentado em Leiria

Uma sessão que ficou marcada pelas palavras de D. José Ornelas sobre a importância do documento, mas também do trabalho que é desenvolvido pela fundação pontifícia...
http://lefa.pt/?p=57984

A antiga Igreja da Misericórdia, hoje o Centro do Diálogo Intercultural de Leiria, no centro histórico da cidade, foi o palco, na quarta-feira, 4 de junho, ao fim da tarde, de mais uma sessão de apresentação pública do Relatório da Fundação AIS sobre a Liberdade Religiosa no Mundo. Uma sessão que ficou marcada pelas palavras de D. José Ornelas sobre a importância do documento, mas também do trabalho que é desenvolvido pela fundação pontifícia de alerta para tudo o que diz respeito a esta liberdade fundamental.

“Quero deixar aqui uma saudação à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre que entre nós está bem activa em tornar-nos conscientes desta realidade dramática que se vive em todo o mundo. Os números que acabámos de ver são disso sintoma. E o facto de se dizer que os cristãos são os mais perseguidos não é de admirar. Isso significa também que há muitos, muitos cristãos que arriscam a sua vida em nome e em coerência com aquilo que pensam, com aquilo que creem e com o mundo que querem criar”, afirmou o Bispo de Leiria-Fátima.

“É muito comovente e chocante mesmo falar com pessoas destas”, acrescentou o prelado, recordando o encontro que teve recentemente em Roma, durante o Sínodo dos Bispos, com uma religiosa iraquiana. Os dois participavam na oração do Terço na Igreja de São Pedro, no Vaticano, e a irmã falou-lhe um pouco do que tem sido a vida dos cristãos no Iraque nos últimos anos. Na localidade onde vivia, havia cerca de 60 mil cristãos antes da invasão dos jihadistas do Estado Islâmico, em 2014. Hoje são pouco mais de 10 mil. O que aconteceu? Violência, muita violência.

“Muitos perderam a vida, é rara a família que não tenha mortos recentes, destes últimos anos”, contou o Bispo. “É preocupante perceber que a presença da Igreja nestes países esteja a diminuir radicalmente”, disse ainda D. José Ornelas.

O SANTUÁRIO DAS LIBERDADES

Na sua intervenção, de improviso, o Bispo fez questão de sublinhar a importância de se defender a liberdade religiosa como a mais significativa de todas as liberdades. “É muito importante a consciência que se faz, do ponto de vista religioso, falar de liberdade religiosa e falar de perseguição religiosa. Porque quando se chega à perseguição religiosa já pelo caminho ficaram muitos outros direitos humanos fundamentais… Porque esta é a mais íntima, a mais sagrada das fronteiras da liberdade, que é a liberdade de pensar, de acreditar, de sonhar um mundo novo e, portanto, este é o santuário”, disse, acrescentando que, por tudo isto, o diálogo inter-religioso “é uma necessidade absoluta”.

Tal como denunciar o que acontece todos os dias no mundo quando esta liberdade é atropelada. E D. José Ornelas salientou a importância de haver uma instituição da Igreja, a Fundação AIS, que tem como missão precisamente a defesa da liberdade religiosa e o apoio aos cristãos que são a comunidade mais perseguida em todo o mundo.

Antes da sua intervenção, Catarina Martins de Bettencourt, directora do secretariado nacional da AIS, apresentou as principais conclusões do Relatório e também deixou um incentivo aos presentes, cerca de duas dezenas de pessoas, para serem “cidadãos conscientes e activos” face a esta realidade que afecta tantos milhões de seres humanos.
A sessão contou ainda com a presença da vice-presidente do município. Anabela Graça fez questão, mesmo no final, de agradecer o trabalho da Fundação AIS em Portugal. “Agradeço à AIS o trabalho que faz e que nos faz pensar no que podemos fazer. Cada um de nós tem de olhar para esta realidade e tem um papel a desempenhar na construção da liberdade religiosa e nos direitos humanos”, disse a autarca.
Neste momento, o relatório da Fundação AIS já foi apresentado publicamente, e sempre na presença dos respectivos bispos, em 10 dioceses portugueses. Antes de Leiria-Fátima, houve sessões públicas em Lisboa, Setúbal, Porto, Santarém, Coimbra, Braga, Évora, Madeira e Aveiro.

O Relatório pode ser consultado aqui: https://acninternational.org/religiousfreedomreport/pt

Partilhar / Print

Print Friendly, PDF & Email

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia

plugins premium WordPress