Lectio divina para o Domingo da Santíssima Trindade, Ano A

A solenidade da Santíssima Trindade é um convite a contemplar o Deus de amor, comunhão plena do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
http://lefa.pt/?p=52934

«Deus enviou o seu Filho ao mundo, para que o mundo seja salvo por Ele»

Breve introdução

A solenidade da Santíssima Trindade é um convite a contemplar o Deus de amor, comunhão plena do Pai e do Filho e do Espírito Santo, as três Pessoas distintas, a sua essência única e a sua igual majestade. Convite a entrar no mistério de amor, que se revela a Moisés como o Senhor «clemente e compassivo», o «Deus do amor e da paz» de que fala Paulo aos Coríntios, o Pai que, como confidencia Jesus a Nicodemos, envia o seu Filho ao mundo, «para que o mundo seja salvo por Ele». Mais que “descodificar”, há que deixar-se amar, perdoar, envolver no Deus uno e trino.

Invocação

Deus Pai,
que revelastes aos homens o vosso admirável mistério,
enviando ao mundo a Palavra da verdade e o Espírito da santidade,
concedei-nos que, na profissão da verdadeira fé,
reconheçamos a glória da eterna Trindade
e adoremos a Unidade na sua omnipotência.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.
Ámen.
(Oração coleta da Missa da Santíssima Trindade)

Escuta da Palavra de Deus

Vamos escutar uma passagem do Evangelho de João. Nicodemos aproxima-se de Jesus de noite, em busca de respostas. Procura a luz, na Luz que é Jesus. E recebe a certeza que lhe dá o Filho Unigénito de Deus: no seu tão grande amor, Deus quer partilhar com toda a humanidade a vida plena e eterna.

Leitura do Evangelho de João(Jo 3,16-18)

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: «Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito, para que todo o homem que acredita n’Ele não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele. Quem acredita n’Ele não é condenado, mas quem não acredita n’Ele já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho Unigénito de Deus».

Breve comentário 

Depois de falar com Nicodemos de um «nascer de novo» e da necessidade do Filho do Homem ser «erguido ao alto», o texto do Evangelho de São João que escutamos nesta solenidade da Santíssima Trindade leva-nos ao encontro do amor do Pai, revelado no dom da vida do Filho, erguido no alto da cruz, que aí oferece a salvação e vida eterna a todo o que «nasceu do Espírito» e crê no nome do Filho Unigénito de Deus. 

Na noite, Nicodemos não terá mais onde fixar a sua atenção senão naquele «tanto» do amor de Deus Pai que, de «tanto» amar o mundo, mesmo quando o mundo parece quer deixar-se habitar pelas trevas, não deixa de enviar Aquele que o pode salvar. 

Acreditar no Filho enviado, acolher a sua oferta de vida, é caminho de vida eterna, é deixar-se emergir na própria vida divina. Rejeitar a sua oferta já é condenação, porque é optar por não se querer deixar iluminar pelo amor eterno e gratuito, pelo «tanto» de Deus. A palavra de Jesus é convite para se deixar amar pelo «tanto» de Deus. Convite para contemplar o «tanto» de Deus na sua vontade de partilhar a vida eterna e a comunhão da Trindade com a humanidade frágil de cada um de nós.

Silêncio meditativo e diálogo

  • «Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito»

A solenidade da Santíssima Trindade «convida-nos a deixarmo-nos fascinar mais uma vez pela beleza de Deus; beleza, bondade e verdade inesgotável. Mas tambémbeleza, bondade e verdade humilde e próxima, que se fez carne para entrar na nossa vida, na nossa história, na minha história, na história de cada um de nós, para que cada homem e cada mulher possa encontrá-la e ter a vida eterna. E isto é fé: acolher Deus-Amor, acolher este Deus-Amor que se doa em Cristo, que nos faz mover no Espírito Santo; deixar-se encontrar por Ele e confiar n’Ele. Esta é a vida cristã. Amar, encontrar Deus, buscar Deus; e Ele procura-nos primeiro, Ele encontra-nos primeiro.» (Papa Francisco, 7 de junho de 2020)

Vivo a fé como este deixar-me amar em primeiro lugar por Deus?

  • «Para que todo o homem que acredita n’Ele não pereça, mas tenha a vida eterna»

«O que é esta vida eterna? É o amor desmedido e gratuito do Pai que Jesus doou na cruz, oferecendo a sua vida pela nossa salvação. E este amor com a ação do Espírito Santo irradiou uma luz nova sobre a terra em cada coração humano que o acolhe; uma luz que revela os ângulos obscuros, as dificuldades que nos impedem de levar os frutos da caridade e da misericórdia» (Papa Francisco, 11 de junho de 2017). É esta vida eterna que Deus quer partilhar, desde já, connosco. Acolhendo-a, o mundo encontra o caminho da salvação. Acolhendo-a, a humanidade vive de verdade aquela vida para a qual o amor de Deus nos criou.

Sinto-me já salvo por Deus? Deixo-me envolver pela vida eterna? Procuro que a luz de Deus ilumine de verdade o meu olhar sobre mim, os outros e o mundo?

  • «Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo para o mundo seja salvo por Ele»

A fé no Deus uno e trino é núcleo central e estruturante da nossa fé. Acreditar no Deus revelado em Jesus Cristo faz-nos entrar de verdade no Deus-Amor e contemplar o Mistério de beleza e bondade, unidade e comunhão: «adoramos as três Pessoas distintas, a sua essência única e a sua igual majestade» (Prefácio da Santíssima Trindade). Não se trata de algo distante e incompreensível, mas do convite para se deixar inspirar pela fonte da vida e do amor para, por Ele, com Ele e n’Ele, fazer deste mundo um lugar da sua presença, de salvação, de amor. Porque acreditamos em Deus Pai, Filho e Espírito Santo, continuamos a missão de Jesus Cristo de anunciar e tornar já presente no nosso mundo o Reino de Deus que ele veio trazer.

Procuro alimentar a minha relação pessoal de fé com cada uma das Pessoas da Trindade? Encontro na sua diversidade e unidade o fundamento para as minhas ações e relações?

Propósito e oração final 

A partir desta palavra proponho-me a rezar o Credo durante esta semana, procurando parar e meditar em cada palavra, contemplando e adorando a Deus.

Oração: 

Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente,
com o vosso Filho unigénito e o Espírito Santo,
sois um só Deus, um só Senhor,
não na singularidade de uma só pessoa,
mas na trindade de uma só natureza.
Tudo quanto revelastes acerca da vossa glória,
nós o acreditamos também, sem diferença alguma,
do vosso Filho e do Espírito Santo.
Professando a nossa fé na verdadeira e sempiterna divindade,
adoramos as três Pessoas distintas,
a sua essência única e a sua igual majestade.
Ámen.
(Prefácio da Santíssima Trindade)

Repositório LECTIO DIVINA
https://bit.ly/2W4uDI6
O módulo não pode ser fornecido porque o conteúdo solicitado não é (por mais tempo) acessível. Entre em contato com o administrador para obter acesso.

Partilhar / Print

Print Friendly, PDF & Email

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia

plugins premium WordPress