Lectio divina para o 10º Domingo do Tempo Comum, Ano A

Retomando o Tempo Comum da liturgia e após as solenidades da Santíssima Trindade e do Corpo e Sangue do Senhor, entramos, de novo, no ritmo litúrgico da vida quotidiana de Jesus.
http://lefa.pt/?p=53149

Cristo passa e chama quem Ele quer

Breve introdução

Retomando o Tempo Comum da liturgia e após as solenidades da Santíssima Trindade e do Corpo e Sangue do Senhor, entramos, de novo, no ritmo litúrgico da vida quotidiana de Jesus. Um tempo mais distendido em que muitas das actividades pastorais estão a chegar ao fim e se começam a preparar as do próximo ano. É neste contexto da vida eclesial e pessoal de avaliação, pausa e programação que somos confrontados com o chamamento de Mateus a seguir o Mestre. Surpreendente o chamamento deste homem, por parte de Jesus, e não menos surpreendente a resposta imediata de Mateus. Jesus encontra-o entregue ao seu trabalho e não perde tempo. Faz o mesmo hoje com cada uma e com cada um de nós. Todos os momentos são bons para nos chamar a um maior seguimento e a fazer-nos rever as nossas prioridades e projectos.

1. Invocação

Senhor Jesus,
Vós que dissestes a Mateus:
«Segue-me»
e ele, levantando-se,
seguiu-Vos com prontidão,
fazei que escutemos
a Vossa Palavra com atenção
e possamos responder
com a mesma generosidade.
Ámen. 

2. Escuta da Palavra de Deus

2.1. Vamos escutar uma passagem do Evangelho segundo S. Mateus

Numa longa secção em que o evangelista Mateus coloca Jesus a anunciar o Reino de Deus por palavras e por obras, apresenta, no fim, o chamamento do publicano Mateus, usando um esquema similar ao chamamento dos primeiros quatro Apóstolos. A novidade reside na escolha da pessoa: um cobrador de impostos. Alguém que pela profissão que exercia era mal visto pela sociedade judaica. Um pecador público, assim considerado, que mereceu a mesma atenção de Jesus. Esta escolha e, mais ainda, a participação numa festa com amigos de Mateus, também eles cobradores de impostos, foram objecto de crítica por parte dos fariseus. Porém, Jesus respondeu à altura desmontando os seus argumentos. 

2.2. Leitura do Evangelho de S. Mateus (Mt 9, 9-13)

Naquele tempo,
Jesus ia a passar,
quando viu um homem chamado Mateus,
sentado no posto de cobrança dos impostos,
e disse-lhe: «Segue-Me».
Ele levantou-se e seguiu Jesus.
Um dia em que Jesus estava à mesa em casa de Mateus,
muitos publicanos e pecadores
vieram sentar-se com Ele e os seus discípulos.
Vendo isto, os fariseus diziam aos discípulos:
«Por que motivo é que o vosso Mestre
come com os publicanos e os pecadores?».
Jesus ouviu-os e respondeu:
«Não são os que têm saúde que precisam de médico,
mas sim os doentes.
Ide aprender o que significa:
‘Prefiro a misericórdia ao sacrifício’.
Porque Eu não vim chamar os justos,
mas os pecadores».

2.3. Breve comentário

Ao tempo de Jesus, a maioria dos rabinos eram escolhidos por aqueles que os reconheciam por mestres e que com eles queriam aprender. Jesus tem uma forma de ser diferente. É ele quem chama quem ele quer e escolhe até aqueles que o senso comum diria que não eram boas escolhas. Mateus/Levi é sem dúvida um destes, pois era cobrador de impostos, ou seja, alguém mal visto pela sociedade em geral. Eram tidos como colaboracionistas com o estado romano opressor, na recolha de impostos; cobravam em regra mais do que deviam, caindo na usura e até no roubo descarado; olhavam mais para os bens materiais que aos bens espirituais. Por isso, deles se dizia que não tinham salvação possível, pois mesmo que quisessem restituir o que tinham roubado, era tanto que nem eles sabiam. 

Jesus chama para o seguir um homem assim. É uma provocação de Jesus para aqueles que se consideravam puros. Mas os gestos inauditos de Jesus não se ficam por aqui. Vai mais longe. Participa numa festa, num banquete onde estão amigos de Mateus, também eles cobradores de impostos. E isto é alvo de críticas. No texto paralelo de Marcos, afirma-se que a festa decorreu na casa dele, ou seja, de Jesus, e assim se percebe melhor a crítica: acolhe os pecadores e come com eles. Jesus não se limita a chamar Mateus para o seguir. Não o chama para o repreender pela sua vida e pela sua conduta moral. Também não o fará com Zaqueu. Isto não significa que não se importe com o que ele faz. Simplesmente a sua pedagogia é outra: o do perdão e o da misericórdia. É o amor que salva e, uma vez, sentindo-se amado, a pessoa reconhece os caminhos novos a trilhar. 

Jesus convida para o seguir e para ir até uma festa. Se tivermos em conta que o Reino de Deus era comparado a um banquete, então percebemos melhor onde Jesus nos leva: à salvação. Também Mateus e pecadores como ele são alvo do amor e da salvação de Jesus. Ninguém fica de fora. 

Ao chamamento de Mateus e à participação no banquete, a terceira parte do nosso texto refere a indignação dos fariseus e a tripla resposta que Jesus lhes dá: «Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Ide aprender o que significa: ‘Prefiro a misericórdia ao sacrifício’. Porque Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores». Jesus desconcerta-os pela sua resposta. Afinal, quem não quiser entrar na lógica de Jesus ficará fora da festa da misericórdia. Não participará no banquete da reconciliação, como o irmão mais velho da parábola do Filho Pródigo que se indignou com o pai por ter organizado uma festa para o filho mais novo, seu irmão, mas que não o considera como tal, que tinha regressado, segundo ele, depois de ter consumido a herança com uma vida dissoluta. 

Seguir Jesus, escutar a sua voz, requer silêncio e disponibilidade de coração. Requer perseverança e conversão interior. Requer uma visão nova da vida e do mundo. Requer um olhar segundo a lógica de Deus.

3. Silêncio meditativo e diálogo

– A celebração da Eucaristia é constituída por dois momentos fundamentais: a liturgia da Palavra e a liturgia Eucarística. A mesa da Palavra e a mesa do pão. Após o chamamento a Mateus, Jesus leva-o a participar num banquete onde todos têm lugar, sem excepção. Assim deve ser a Eucaristia. Não é um banquete dos que se consideram puros, mas um convite de amor que é oferecido a todos e ao qual Jesus nos atrai. É assim que compreendo a Eucaristia? É assim que a minha comunidade cristã celebra a Eucaristia?

Disse-lhe: «Segue-Me». Ele levantou-se e seguiu Jesus. Tantas vezes nos levantamos das nossas vidas, das nossas casas, aos domingos e de semana, para poder participar na Eucaristia. Mas é o Senhor quem passa e chama: «Se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com Ele». Seguir o Mestre implica disponibilidade imediata, «pois quem mete a mão ao arado e olha para trás não é digno de Mim (Lc 9, 62). Como oiço os apelos de Jesus e lhes respondo? Com que prontidão?

Vinde e segui-Me e farei de vós pescadores de homens. Ao contrário do comodismo que nos instala, Jesus desinstala-nos e propõe-nos a segui-Lo. Assim aconteceu com Mateus, que, do imobilismo em que se encontrava, sentado a cobrar impostos, de imediato se levantou. E é na medida em que nos dispomos a segui-Lo que poderemos assumir a Sua missão, hoje. Ser discípulo missionário é estar disposto a seguir o mestre para onde Ele quer que vá e para onde nos leva a ir. Que contributo quero eu dar para ajudar quem vive na tristeza, no desespero, na angústia?

…Porque Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores. Quem na verdade, neste mundo, se pode considerar justo? E, no entanto, em cada Eucaristia, Jesus se oferece como Pão vivo descido do Céu para nos alimentar das razões que precisamos para viver. Mais do que nos convidar a comer e a beber, Jesus, como a Mateus, partilha, à mesa, da Sua vida e da Sua amizade. Convida-nos à intimidade e é nesse ambiente que Mateus descobre quem é e o que é chamado a fazer. Assim devia ser em cada Eucaristia. O lugar de encontro uns com os outros e com Deus. E com o coração reconciliado e agradecido, aceitar o ite missa est como um desafio à missão e não ao descanso imobilista.

4. Oração final e gesto familiar

Depois de se ter lido e meditado o evangelho do Domingo, proponho que se reze a oração do Pai-Nosso, com especial enfoque nas palavras: perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, para se realçar a importância do perdão como início de uma vida nova. 

Ao mesmo tempo, se for oportuno, dar espaço à partilha para que cada um possa contar alguma experiência pessoal em que sentiu o chamamento de Deus e como respondeu a esse apelo. Ou, então, que se partilhe em alternativa alguma história vocacional contemporânea, como a do jovem beato Carlo Acutis, um apaixonado pela Eucaristia e um testemunho extraordinário de seguimento de Jesus no mundo contemporâneo. 

Repositório LECTIO DIVINA
https://bit.ly/2W4uDI6
O módulo não pode ser fornecido porque o conteúdo solicitado não é (por mais tempo) acessível. Entre em contato com o administrador para obter acesso.

Partilhar / Print

Print Friendly, PDF & Email

Leia esta e outras notícias na...

Receba as notícias no seu email
em tempo real

Pode escolher quais as notícias que quer receber: destaques, da sua paróquia

plugins premium WordPress