Notícias

Congregação das Servas da Santa Igreja

Categoria: Notícias
Criado em 04-02-2016

Fundada por D. Manuel Mendes, arcebispo de Évora, em 1945, esta congregação tinha um objectivo muito concreto: trabalhar pela recristianização de Portugal, a partir do Alentejo. O seu carisma confunde-se, assim, com o espírito do fundador.

 

 

 

 

 

Nascidas para evangelizar um país descristianizado

2016-02-02 sopra0Manuel Mendes da Conceição Santos nasceu em 1876, na paróquia de Olaia, Torres Novas, e entrou no Seminário de Santarém em 1890. Cinco anos depois foi enviado para Roma pelo Patriarca de Lisboa, D. José Sebastião Neto, para completar os estudos, tendo-se doutorado em Teologia e em Letras Latinas pelo Instituto Leão XIII.

Regressando a Portugal, constatou a necessidade da recristianização do povo, envolvido nas ideias anti-clericais da época. Em 1905, foi chamado pelo bispo da Guarda, D. Manuel Vieira de Matos, para o cargo de vice-reitor do Seminário, de onde exercia uma defesa vigorosa da Igreja perante os ataques que lhe eram feitos, também através da imprensa.

Já depois da instauração da República, em que esses ataques se intensificaram pela movimentação política, foi ordenado Bispo de Portalegre, em 1916. Encontrou uma diocese sem seminário, com reduzido número de sacerdotes e, consequentemente, com um povo descristianizado.

O seu intenso labor apostólico levou a que fosse nomeado para Évora, onde entrou como arcebispo em 1921. Também aqui se repetiam os problemas de uma sociedade esquecida dos valores cristãos e afastada da prática religiosa, com a Igreja consequentemente esvaziada de fiéis. Mais uma vez lançou mãos à obra, mobilizando os leigos, procurando vocações sacerdotais e chamando congregações religiosas para o ajudarem nessa luta pelo regresso ao Evangelho. Foi neste contexto que decidiu fundar uma congregação feminina com o carisma específico da evangelização, em 1945, a que chamou Servas da Santa Igreja.

Faleceu em 1955, deixando esse legado a perpetuar o seu espírito apostólico, reconhecido com a introdução do processo de canonização, em 1972, a pedido do Movimento dos Cursos de Cristandade.

 

Carisma evangelizador

2016-02-02 sopra2

Jornada “História e Missão 1945-2015”, a 10 de outubro de 2015, na comemoração dos 70 anos da fundação

Para a fundação da Congregação terá contribuído o conselho de um seu antigo companheiro de D. Manuel Mendes em Roma, Eugénio Pacelli, então Papa Pio XII. O primeiro motivo foi a necessidade de ajuda no trabalho de evangelização do escasso clero diocesano em Évora.

Com o lema “Eis a serva do Senhor”, as primeiras Servas da Santa Igreja assumiram como missão colaborar na dinamização de comunidades paroquiais, algumas sem pároco, nomeadamente, na organização de retiros, animação e formação de grupos, catequese, orientação de um lar de jovens estudantes, acompanhamento domiciliário às famílias, em colónias de férias para crianças carenciadas, etc. Mas, muito especialmente, no apoio às “missões populares itinerantes”, promovidas por todo o Alentejo.

Têm presentemente três comunidades na Arquidiocese de Évora, mas andaram temporariamente por outras dioceses, como Aveiro, Braga, Lamego e Leiria.

 

Casa D. Manuel Mendes em Fátima

2016-02-02 sopra3O fundador das Servas da Santa Igreja era um grande devoto de Nossa Senhora de Fátima. Foi ele, aliás, que benzeu a 1.ª pedra da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, a 13 de maio de 1928.

Nos dez anos em que acompanhou a congregação, escolheu este santuário mariano como local para orientar 11 retiros para senhoras. Após a sua morte, as irmãs continuaram esse apostolado, organizando até hoje mais de uma centena de retiros para leigos, jovens e religiosas, geralmente nas casas do Santuário.

Em 1967, vieram duas irmãs em permanência para Fátima, uma para trabalhar no Exército Azul e outra na Cruzada do Rosário. Tendo falecido em 1995 e 2002, respectivamente, outras irmãs mantiveram a comunidade até 2004, exercendo o seu apostolado através das visitas às famílias e levando a comunhão aos doentes. Mas a idade avançada o reduzido número de membros da congregação levaram a que a comunidade deixasse de ali residir em permanência.

Actualmente, a casa, a que foi dado o nome de D. Manuel Mendes, serve para apoio à congregação, aquando da participação em cursos, semanas de estudo, férias das irmãs, reuniões, retiros e encontros de pequenos grupos de jovens, peregrinações, etc.

 

Testemunho vocacional

Foi na oração que recebi a força para a decisão

2016-02-02 sopra4Sou natural da paróquia de Évora de Alcobaça, Patriarcado de Lisboa, onde fiz a minha caminhada cristã. Foi especialmente marcante o dia em que recebi o sacramento do Crisma e senti o impulso de ser catequista, partilhando a fé recebida dos meus pais e catequistas e a fé que fui vivendo como jovem. A experiência como catequista foi muito significativa, ajudando-me no empenho na paróquia e no compromisso cristão.

Na adolescência, também tive momentos em que me apetecia não participar na Eucaristia, mas a firmeza, o apoio e o testemunho de meus pais ajudavam-me a ir em frente, a não desistir. E foi numa Eucaristia que, um dia, me tocou profundamente esta passagem do Evangelho: “Disse-lhes Jesus: «Vinde comigo e Eu farei de vós pescadores de homens». E eles deixaram as redes imediatamente e seguiram-no” (Mt 4, 19-20). Nesse dia senti que Jesus me estava a dizer: “Maria de Jesus, vem comigo, deixa tudo, vai anunciar-Me”. Procurei rezar este desafio que Jesus me fazia no meu íntimo, de deixar as “redes”, sobretudo a minha família e a minha terra. O certo é que foi na oração que recebi a força para a decisão de responder ao chamamento.

Depois de algum tempo de discernimento, tomei a decisão de entrar na Congregação das Irmãs Servas da Santa Igreja, movida pelo seu carisma de serviço no anúncio do Evangelho. Tive o meu tempo de formação religiosa, com o Noviciado, os primeiros votos e os votos perpétuos.

Ao fim deste 25 anos de consagração a Deus, que celebrei neste Ano da Vida Consagrada, agradeço ao Senhor o chamamento que me faz viver em cada dia e me conduz para o serviço dos irmãos que mais precisam, nas diversas paróquias por onde tenho sido chamada a evangelizar.

Este ano, a Congregação foi convidada a abrir uma nova comunidade no Alentejo, na paróquia de Palma, em Alcácer do Sal, respondendo ao convite do Papa Francisco a ir para as periferias. É desta comunidade que eu e mais duas irmãs fazemos parte. Irradiamos também a nossa acção às paróquias de Alcácer do Sal, na sua extensão em diversos bairros.

Quanta alegria sinto pela vocação a que o Senhor me chamou e chama em cada dia. Quero estar disponível para as diversas interpelações e desafios que surgem na minha missão de serviço no anúncio do Evangelho.

Ir. Maria de Jesus Delgado Vicente

Números

Em Portugal

Casas: 3

Membros: 16

Na Diocese

Casas: 1

Membros: 0

Luís Miguel Ferraz (coord.) | Presente Leiria-Fátima

Partilhar:



Video

Entrevista de D. António Marto à Agência Ecclesia

Prestes a receber o Papa Francisco em Fátima, D. António Marto fala da visita, do Centenário das Aparições e da Mensagem de Fátima.



Contactos

 

Serviços Gerais da Diocese


R. Joaquim Ribeiro Carvalho, 2 
2410–116 Leiria

Tel.: 244 845 030
Fax: 300 013 266

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Siga-nos

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Liturgia Diária



© Diocese Leiria-Fátima, Todos os direitos reservados

© Diocese Leiria-Fátima, Todos os direitos reservados